7 anos [festejados] no Kome

Chegámos aos nossos 7 anos -  sempre que digo isto assisto a um franzir de sobrolho e uma boquinha de peixe ao qual se segue um"fhuuuuu!! 7 anos ? crise!"

7 anos é sinónimo de crise se o permitirmos. Fora o romantismo bacoco sim, às vezes é difícil. Os filhos são a melhor coisa do mundo mas também dão cabo de uma relação se as pessoas (os intervenientes, a parelha) não conversar, se distanciar.
Não sou apologista do "esforço", tipo: "Ah vamos fazer um esforço". Sou apologista da alma - vamos colocar um bocadinho de nós mesmos na equação.  As relações nem sempre são harmoniosas mas a vida é mesmo assim. E a vida é mesmo simples - recebemos aquilo que damos. Estou crente de que se dermos amor é o que recebemos.


Para celebrar esta data tão bonita com o meu mais-que-tudo escolhi um sítio e, relembrando o início, decidi-me pelo japonês.
Recordo-me que no ano passado, entre fraldas e horários de amamentação o único sítio onde pudemos ir, foi a um café na nossa rua cujo nome remonta a Itália, mas de italiano só o barulho.

Decidida a repor alguma diginidade aos nossos festejos armei-me de grande pompa e segredo e não me descosi sobre o restaurante até lá chegar.
Com ajuda e algumas sugestões cheguei ao Kome. O Kome é um restaurante japonês na rua da Madalena.
É um sítio cheio de alma. Chegámos e sentaram-nos logo. Ao nosso lado um casal francês super cool, hipster, essas coisas todas "fixes", dos seus 40 anos que me fez vilsumbrar um futuro sorridente cheio de viagens. Fiquei com a sensação, talvez por causa deles, de que estava num restaurante perdido no quartier latin, mais do a sensação de que estaria num japonês, algures em Lisboa.
Na altura de pedir instala-se a confusão, pois a ementa - que é mesmo muito gira, está cheia de nomes técnicos em japonês - é fixe para os entendidos, mas para nós que nem sempre vamos ao japonês, Japonês - e que não somos familiares com os pratos é quase como olhar para uma folha de excel.
Mas isto atenua-se com a ajuda de uma menina muito simpática que nos explica tudo.

Pedimos Sushi - e o sushi é mesmo sushi. São uns belos e saborosos rolos consistentes. O L. comeu um hamburguer Teryaki muito bom ( do qual não reza a história no que toca ao desenho) e eu, uma beringela fabulosa, recheada com carne e acompanhada por funcho.

At the end, um bolo de chocolate irrepreensível!
Foi desenhado à pressa - não preciso de explicar o porquê, certo?

No final do jantar, a empregada portuguesa, que domina japonês, veio falar comigo sobre os desenhos e acabei a mostrá-los à equipa de cozinheiros!
Pediram-me uma fotografia [com os desenhos], pedido ao qual acedi, mas com a ressalva de que me avisassem caso tivesse bolo de chocolate nos dentes. Eles riram-se mas fiquei na dúvida se  teriam entendido a piada!

Como posso dizer de uma forma inovadora que recomendo este belíssimo e acolhedor restaurante?
Ah, já sei! Eu vou lá voltar - ficou na calha um rolo de salmão!
O nome é qualquer coisa como Tsubaki - chewbacca?  na dúvida, peçam SEMPRE, ajuda! 

Enviar um comentário

Mensagens populares